Esclerose de vasos

Imprimir
PDF

A escleroterapia ou "secagem", é uma técnica destinada às microvarizes e telangiectasias – pequenas dilatações venosas, simples ou agrupadas e de tratamento não cirúrgico. Através da injeção de substâncias químicas, ocorre inflamação nos trajetos dessas veias de pequeno calibre, com posterior fibrose – endurecimento – e obstrução ao fluxo sanguíneo.

É realizada ambulatorialmente, no próprio consultório médico, sem a necessidade de anestesia. Orienta-se que no primeiro dia após as sessões, seja feito repouso com as pernas elevadas. Já no dia seguinte, a pessoa está liberada para as atividades habituais. Pode haver desconforto mínimo, quando da injeção do líquido esclerosante, do tipo ardência ou queimação, e que é fugaz.

Na presença de varizes nos membros inferiores de indicação cirúrgica, é bom senso realizar primeiro o tratamento cirúrgico e depois a escleroterapia – a recidiva é menor nos casos de cirurgia realizadas previamente à escleroterapia.

Não necessariamente há recidiva. As microvarizes tendem a reaparecer em virtude de sua etiologia ainda desconhecida, mas dependente de alguns fatores de caráter genético e predisposição pessoal, associada a fatores agravantes e/ou desencadeantes, como a gestação ou alterações hormonais.

Os resultados não são imediatos à realização do procedimento, sendo necessário alguns dias – em média 2 a 3 semanas – para se observar a melhora; assim como não é em apenas uma sessão que se obtém os melhores resultados. Principalmente naquelas pacientes com acometimento difuso, o tratamento pode ser prolongado.

O intervalo entre uma sessão e outra depende da recuperação de cada pessoa. Em zonas anteriormente não tratadas, as sessões podem ser realizadas com intervalos curtos – semanalmente; já em áreas anteriormente tratadas, é prudente esperar a evolução do local tratado para uma nova sessão, sendo aguardado em média de 2 a 4 semanas, até que desapareçam bem a reação inflamatória e os eventuais hematomas. As sessões duram cerca de 20 a 30 minutos
Dor e cansaço

As varizes prejudicam a circulação sangüínea e, conseqüentemente, provocam dor, sensação de peso e de cansaço nas pernas. Em casos mais graves, causam úlcera varicosa, deixando a pele da perna, do joelho para baixo, frágil e suscetível a infecções, tornando-se fina e escura. Pior: “podem desencadear tromboflebite - quando as plaquetas de sangue formadas na veia doente se chocam, ocasionando um coágulo, que bloqueia a passagem do sangue pela veia”. Se esse coágulo se desprende e cai numa veia maior, pode chegar até o pulmão causando embolia pulmonar. O ideal, é que as varizes sejam tratadas o quanto antes.